Sessão de clausura da fase diocesana do processo de canonização vai homenagear virtudes da vidente

LUCIA.jpg

Lisboa, 09 fev 2017 (Ecclesia) – A Diocese de Coimbra e a vice-postulação da Causa de Canonização da Irmã Lúcia (1907-2005) vão promover a 13 de fevereiro a sessão de clausura do inquérito diocesano, que exigiu a análise de milhares de cartas e escritos.

Esta fase do processo de canonização da vidente de Fátima reúne todos os escritos da Irmã Lúcia, os depoimentos das testemunhas ouvidas acerca da sua fama de santidade e das suas virtudes heroicas, passando agora para a competência direta da Santa Sé e do Papa.

Após a sessão de clausura, todo o material recolhido é entregue na Congregação das Causas dos Santos (Santa Sé), de acordo com as normas estabelecidas pela Igreja Católica.

Marco Daniel Duarte, diretor do Serviço de Estudos e Difusão do Santuário de Fátima, referiu em entrevista à Agência ECCLESIA que a documentação relacionada com a Irmã Lúcia passa dos 10 mil escritos e que as cartas conhecidas são mais de 9 mil.

A parte inicial da causa de canonização da Irmã Lúcia começou em 2008, três anos após a sua morte, depois de o agora Papa emérito Bento XVI ter concedido uma dispensa em relação ao período de espera estipulado pelo Direito Canónico (cinco anos).

A fase diocesana contou com o trabalho a tempo inteiro cerca de três dezenas de pessoas, 18 delas teólogos e 8 elementos na Comissão histórica, adianta uma nota publicada pelo Santuário de Fátima.

Neste período de mais de oito anos teve lugar a recolha e estudo teológico dos documentos escritos pela Irmã Lúcia: os livros publicados: o seu diário a que deu o título ‘O meu Caminho’; a documentação epistolar e outros inéditos.

“Simultaneamente, foram ouvidas várias pessoas que com ela conviveram e cujo testemunho nos forneceu dados fundamentais para traçar o perfil da vida e das virtudes da religiosa carmelita que foi, um dia, vidente de Fátima”, acrescenta a sala de imprensa do Santuário.

Após a análise do estudo do processo, em Roma, espera-se que o Papa assine o decreto da “Heroicidade das Virtudes”, que proclama um fiel católico como “venerável”; após esta fase, é necessária a aprovação de um milagre atribuído à intercessão do venerável, para que possa ser beatificado.

A sessão solene de clausura da fase do Inquérito Diocesano do Processo de Beatificação e Canonização da Serva de Deus Lúcia de Jesus vai ter lugar esta segunda-feira, no Carmelo de Santa Teresa de Coimbra.

A cerimónia tem início às 17h00, seguindo-se uma Missa de ação de graças; pelas 21h30, tem lugar o concerto ‘O meu caminho’, com o Coro Sinfónico Lisboa Cantata, o Coro Infantil do Conservatório Regional de Coimbra e a Orquestra Clássica do Centro, na Sé Nova de Coimbra.

A irmã Lúcia de Jesus viveu 57 anos de vida carmelita e encontra-se sepultada na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, no Santuário de Fátima, desde 2006.

O encerramento da fase diocesana do processo de canonização está em destaque na edição desta sexta-feira do Semanário ECCLESIA, com entrevistas à irmã Ana Sofia, do Carmelo de Santa Teresa, ao bispo de Coimbra e à vice-postuladora da causa, entre outros depoimentos.

OC
Agência Ecclesia
09 de Fevereiro de 2017