Segundo ranking da ONG Break Free From Plastic, a Coca-Cola é responsável por cerca de 20 mil resíduos plásticos coletados em 39 países. Na segunda e terceira posições seguem PepsiCo e Unilever.
A reportagem é de Stéphane Mandard, publicada por Le Monde, 25-10-2021.
http://www.ihu.unisinos.br

A cada ano, a Break Free From Plastic, uma coalizão global de ONGs, cria um ranking de empresas campeãs de poluição por plástico. E a cada ano, a Coca-Cola vence e se encontra no primeiro lugar deste pódio sem brilho.

Para esta edição de 2021 , a marca americana de refrigerantes não é exceção: com 19.826 resíduos de plástico identificados em 39 países diferentes, a empresa está muito à frente de outras indústrias agroalimentares e tem uma pegada maior do que PepsiCo e Unilever juntas (respectivamente a segunda com 8.231 resíduos plásticos e terceiro com 6.079).

Ao lado dessa lista estão Nestlé (4.149 resíduos plásticos identificados em 30 países), Procter & Gamble (1.939 resíduos em 30 países), Mondelez International (2.065 resíduos em 28 países) e a líder mundial na indústria do tabaco, Philip Morris (1.505 plásticos em 26 países). Pela primeira vez, um francês subiu no ranking: a Danone ocupa o oitavo lugar, com 3.223 resíduos plásticos coletados em 25 países. Muito atrás estão Mars (9º lugar) e Colgate-Palmolive (10º na classificação).

Uma situação que tem piorado de ano para ano

Pior do que esses números assustadores, a poluição do plástico da Coca-Cola não está melhorando. Em 2018, quando publicou seu primeiro relatório, Break Free From Plastic havia identificado 9.216 resíduos de plástico devido aos produtos da Coca-Cola, 11.732 no ano seguinte e 13.834 em 2020.

“Proteger o meio ambiente é uma grande prioridade ”, proclama a marca em seu site. Em particular, temos o compromisso de possibilitar a coleta de todas as embalagens de nossos produtos até 2025 para que não acabem como lixo ou nos oceanos. ” Ainda está longe.

“Ameaça significativa à saúde humana”: microplásticos também estão no ar

Mas essa classificação não é surpreendente. A empresa americana é, sim, a que mais gera embalagens plásticas, segundo relatório publicado em 2019 pela Ellen MacArthur Foundation e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. A marca produz três milhões de toneladas por ano, ou cerca de 108 bilhões.

Para a ONG, as multinacionais estão apenas “fingindo” para enfrentar a crise do plástico. “É hora de as empresas pararem de promover soluções falsas e se concentrarem na resposta real: eliminar o plástico descartável imediatamente e passar de uma cultura descartável para uma economia circular” , conclui o relatório.