Querido amigo,
Estou a pensar no Natal. Vejo-te, comigo, no presépio, com tantos outros amigos. Nitidamente, em primeiro plano. És da família. Somos família. Haja festa! Porque o Menino, o Emanuel, Deus-connosco, está no meio de nós. 

Mas, debaixo da umbrella de Belém, a família alarga-se sem medida, fica do tamanho do mundo. De facto, neste preciso momento, estou a ouvir algumas vozes que me trazem recados de outros nossos irmãos. São os meus vizinhos. Gritam apelos e convites urgentes:

Vem para a rua! Junta-te a nós nas demonstrações! Abaixo o governo militar! Queremos pão! Queremos viver! Ai de nós, se deixarmos de protestar! Nós, povo sudanês, não podemos deixar que ninguém nos roube a revolução! Temos que a levar até ao fim!

Esta, a de hoje, é uma das tantas e repetidas convocações, desde 25 de Outubro passado, dia do golpe de estado efectivado pelos militares. Como de costume, de aqui a pouco, não tardará que a rua e a praça fiquem a transbordar de gente. Multidões enormes, a gritar os seus direitos. 

A questão é muito delicada e iminente. Estado de emergência em todo o país. Interminavelmente. 

Intenções pacíficas mas, infelizmente, com a violência à espreita. O ar fica denso e compacto pelo fumo das bombas de gases lacrimogéneos. E mais do que isso: já foram mortas quase meia centena de pessoas. Porque o inimigo, irreconhecível, anda no meio da multidão.

Porquê?  O povo tem falta de pão, tem fome de justiça, paz, dignidade

Querido amigo, convido-te a rezar comigo para que aconteça Natal também entre os sudaneses e que a dignidade de vida seja para eles uma realidade. Os cristãos somos muito poucos aqui no Sudão, país onde a maioria esmagadora é de religião muçulmana. Mas o Menino Jesus não é racista. Ele veio nascer também para os sudaneses. Para todos no mundo, sem excepção.

Querido amigo, o meu muito obrigado de todo o coração pela tua amizade e carinho. 

Santo e Feliz Natal para ti e teus mais queridos.
Um Próspero Ano novo, com muita Saúde e Graça de Deus.

P. Feliz da Costa Martins
Cartum, Sudão