Tema marcou a abertura dos trabalhos da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Italiana, que vai refletir sobre a renovação do clero

Cidade do Vaticano, 16 mai 2015 – O Papa Francisco afirmou hoje na abertura da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Italiana (CEI) que o sacerdote “não é um burocrata”, é “estruturalmente missionário” e um “critério decisivo” para uma decisão vocacional está na capacidade de se relacionar.

“Neste tempo pobre para fazer amizades, o nosso primeiro compromisso é o de construir comunidade; a abertura ao relacionamento é, assim, um critério decisivo de discernimento vocacional”, afirmou o Papa no discurso de abertura da 69.ª Assembleia Plenária da CEI.

O discurso de abertura da reunião dos bispos italianos, que vai decorrer até ao dia 19, foi feito pelo Papa Francisco, como acontece há três anos, enquanto bispo de Roma e primaz da Itália, e não pelo presidente da CEI, o cardeal Angelo Bagnasco, no cargo desde 2007.

Referindo-se ao tema principal da Assembleia Plenária em curso esta semana, o Papa referiu que o padre é “estruturalmente missionário”, mais do que um líder com uma “missão para cumprir”, e deve sentir-se pertença do povo de Deus onde é enviado, condição de distanciamento da autorreferencialidade que “isola e aprisiona”.

Para Francisco o sacerdote “não é um burocrata ou um funcionário anónimo de uma instituição, não está consagrado a um papel clerical, nem se move por critério de eficiência”, “não procura seguranças terrenas ou títulos honoríficos, que levam á confiança no homem” e “não exige nada para além das reais necessidades”.

“O seu estilo de vida simples e essencial, sempre disponível, fá-lo credível aos olhos das pessoas e aproxima-o dos humildes, numa caridade pastoral que o torna livre e solidário. Servo da vida, caminha com o coração e o ritmo dos pobres”, sublinhou o Papa.

Francisco acrescentou que a comunhão com os leigos, valorizando a participação de cada um, é uma “marca distintiva” da vida do sacerdote e o “cenáculo do presbitério” é “vital” para a seu ministério.

“Esta experiência – quando não é participada de forma ocasional nem por força de uma colaboração instrumental – liberta do narcisismo e dos ciúmes clericais; faz crescer a estima, o apoio e a benevolência recíproca; favorece uma comunhão não só sacramental ou jurídica, mas fraterna e concreta”, afirmou o Papa.

“A comunhão é de facto um dos nomes da Misericórdia”, acrescentou.

O Papa desafiou os bispos italianos a promoverem uma renovação do clero que inclua uma “visão evangélica” sobre a gestão de estruturas e dos bens, evitando referências a uma “pastoral de conservação” que é obstáculo para a “abertura  à perene novidade do Espírito”

“Conservai apenas o que pode servir para a experiência de Fé e de caridade do povo de Deus”, concluiu.

Agência Ecclesia

16 de Maio de 2016, às 18:04